A Google é cobrada por enganar dados de posição

O Google teria enganado “parcialmente” usuários da Austrália na coleta e uso de dados locais, a segunda decisão recente do tribunal federal do país. A decisão publicada pelo juiz Thomas Thawley indica que a gigante da tecnologia rastreou o site dos usuários de dispositivos Android sem eles.

O caso foi apresentado em 2019 pelo Campeonato Australiano e da Comissão do Consumidor (ACCC). A organização alegou que o Google entre janeiro de 2017 e dezembro de 2018 deu aos usuários a impressão de que o “histórico de localização” foi desativado para evitar a coleta de dados. Isso não foi suficiente. Afinal, a empresa poderia continuar acessando a localização do usuário se a operação funcional da “Web U0026 Atividade” estiver ativa.

De acordo com os procedimentos do caso, o juiz responsável pelo caso declarou que a atitude é uma violação da legislação da Austrália. No entanto, de acordo com sua compreensão, as ações da empresa eram apenas “parcialmente enganosas”. Isso é porque nem todos os usuários estavam confusos com o ato.

Em uma entrevista com os jornalistas, o presidente do Accc, Sigs Sims, disse: “Acreditamos que o resultado de hoje é uma mensagem muito clara para plataformas digitais, elas devem ser francamente com os consumidores no que realmente está acontecendo com (a mentira), Como apertado e como os consumidores podem proteger seus dados “.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *